Apenas achar lindo não define estilo

Atualizado: há 5 dias

Não é porque você acha algo lindo que esse algo está, necessariamente, dentro do seu estilo. Quantas vezes você se encantou por algo, elogiou até dizer basta, achou incrível, foi atrás, mas quando colocou em casa ou no armário ficou com a sensação de que não estava funcionando bem ou não sabia como usar da forma correta? Muitas vezes isso acontece pela falsa impressão que temos de que, se achamos bonito é porque combina conosco.


O lindo e o horrível são conceitos extremamente subjetivos e embasados em repertórios pessoais com grande variação estética e contextual. Vamos moldando e lapidando nossos conceitos de bonito/feio desde crianças, através da nossa interação com as situações e itens ao nosso redor, onde crescemos, com quem convivemos e ao que somos expostxs.


Uma parte bem importante da construção de um estilo é o entendimento do que você considera bonito e o porque, mas, por conta da complexidade do pensamento, do nosso repertório pessoal e do nosso contexto, somos capazes de achar lindo algo que não combina conosco de verdade. Muitas vezes algum elemento específico da composição em questão chama a nossa atenção e nos faz colocar o item nessa categoria. O segredo é identificar aquilo que se destacou - foi a forma? a cor? a textura? o contraste? um detalhe específico que outras pessoas poderiam ignorar?


O estilo é intenção, repetição e coerência. Ao fazer o exercício de analisar aquele algo lindo, você passa a perceber quais elementos se enquadram nesse trio, e consequentemente se esse algo lindo funciona para você e sua proposta ou se é apenas uma apreciação estética derivada de fatores como memória afetiva, influência cultural e referências externas. Com esse entendimento, você consegue identificar com mais facilidade a resposta de perguntas sobre adaptação do item em questão na sua rotina diária, e principalmente a conexão dele com a mensagem que você deseja transmitir.